O que é Yoga?

Yoga é um estado de consciência e presença.  É também uma cultura dotada de valores, costumes, símbolos, práticas e atitudes específicas.  É, ainda, um caminho para o autoconhecimento, para o conhecimento do Eu.
A palavra yoga deriva da raiz sânscrita yug, que significa unir. A prática de yoga em cima do tapetinho serve de espelho para observarmos como estão nossas emoções e pensamentos, como está nosso corpo físico, e a partir dessas reflexões tomarmos as decisões coerentes para manter ou modificar nossas condutas do dia a dia, em prol de uma vida plena, equânime, saudável e tranquila.

Algumas das formas de se praticar yoga são:

Bhakti Yoga, ou Yoga devocional:  aqui o  praticante ou devoto expande seu amor  e adoração por uma imagem, um Deus,   através de orações, rituais e cantos, podendo também realizar  o serviço devocional para o bem comum.  Ama o que há ao seu redor, reconhecendo tudo como sendo expressão do Divino.

Jñãna Yoga, ou Yoga do conhecimento:  é  o caminho do yoga  pelo qual o conhecimento  e a compreensão da nossa real natureza  é buscada. Os ensinamentos são passados, tradicionalmente,  de mestre para aluno, na forma de parampara. É um caminho também de auto estudo. O praticante de jñãna yoga  percebe que há muitas existências, mas a Essência é Uma.

Mantra Yoga ou Yoga do som sutil: pela repetição de sons, como os bijas mantras, que correspondem a energias  específicas e de kirtans,  que são cânticos, normalmente  realizados em sânscrito, que é uma língua clássica da Índia antiga, percebe-se uma crescente purificação e harmonização da mente,  propiciando o estado meditativo . Há, também, o estudo  dos efeitos das vibrações de determinados sons na consciência.

Karma Yoga ou Yoga da ação desinteressada: o yogui,  aqui, realiza ações que observa serem necessárias. Faz por que tem de ser feito. No karma yoga busca-se a objetividade e o cuidado com a mente, tendo em vista que isso fará a diferença de como nos relacionamos com o mundo.

Hatha Yoga: Hatha significa, literalmente, esforço físico. É uma forma de yoga na qual existe uma reflexão ativa que utiliza o corpo como veículo, instrumento para seguir o caminho de autoconhecimento.  No Hatha Yoga  almeja-se o despertar da energia potencial usando o esforço, tanto físico, como mental. Hatha deriva das sílabas há, o sol, e tha, a lua.

No Hatha Yoga, o yogui busca a inteligência que está escondida no corpo. O que faz a diferença é a atitude que há por de trás dos exercícios realizados: o estado de presença, a consciência da respiração, a motivação, o  esforço, o  auto respeito, o por que de se estar praticando.

As aulas de Hatha Yoga e de Yoga para Gestantes têm como base os oito passos do Ashtanga Yoga de Patanjali;  astau- oito, anga- partes. O Ashtanga Yoga está descrito no Yoga Sutra de Patanjali, uma obra com mais de dois mil anos de antiguidade, sendo considerado o texto fundamental do Yoga Clássico. Nele, Patanjali diz que o propósito da prática de yoga é “nos estabelecermos em nossa própria natureza”. As oito partes são:

Yamas, as proscrições éticas:
-Ahimsa: não violência
-Satya: veracidade
-Asteya: não roubar
-Bramacharya:  continência
-Aparigraha: não possesividade

Nyamas, as prescrições éticas:
-Saucha: purificação
-Santosha: contentamento
-Tapah: esforço sobre si mesmo
-Svadhyaya: auto estudo
-Isvara Pranidhana: entrega a Isvara

Asana: posturas físicas confortáveis e estáveis, que visam o fortalecimento e o relaxamento do corpo.
Pranayama: controle e disciplina do ritmo da respiração e expansão da energia vital no corpo. Prana: vida, respiração e Ayama, expansão.
Pratyahara: abstração sensorial. É a capacidade de liberar a mente dos objetos externos, ativando a atenção para o interior.
Dharana: concentração. Consiste em fixar a consciência num ponto especifico.
Dhyana: meditação. Quando a mente consegue ficar focada num ponto, durante um período de tempo. Aqui é ativado o olhar do observador, que percebe as flutuações da mente, mas não se identifica com elas.
Samadhi: contemplação, estado de comunhão com o universo.

O objetivo final de yoga é moksha, a libertação. A  libertação dos condicionamentos que não nos permitem enxergar nossa  real natureza, que é livre de limitações. É o reconhecimento de que temos esse corpo físico, mas não somos ele. Que utilizamos os nossos órgãos dos sentidos, jnanedryas, e das ações, karmendryas,  para conhecer e experimentar o mundo, mas que tampouco somos eles. Que temos uma mente e um ego, que nos permitem viver no mundo como indivíduos, mas também não somos eles. Somos a consciência presente em tudo isso e, além disso.

Joana Netz

Joana Netz é apaixonada pela vida. Sempre se interessou pelos saberes ancestrais, pelas sociedades que compreendem a interligação entre o espírito e a matéria, pela natureza, pelo lado selvagem, simples e belo do viver. Tem diversas formações terapêuticas, mas decidiu focar seus estudos e práticas profissionais no Ayurveda, na Música, na Dança, em Terapias de Expressão Corporal, no Yoga para Gestantes, como Doula na Tradição e como Moon Mother. No trabalho com mulheres visa despertar e ancorar a energia da Deusa na Terra, buscando a cura das feridas da alma em um caminho de resgate de seus poderes interiores.

Joana Netz

Cadastre seu email e receba todas as novidades

Desenvolvido com amor por Bárbara Blauth

Scroll Up